CONCURSO HOTEL PAINEIRAS




A grande infraestrutura de transporte, a ser implantada num lugar tão restrito, incorreria no risco de transformar a parada das Paineiras num mero ponto rodoviário. A solução adotada é direta: uma grande laje na cota do térreo do Hotel hierarquiza todo o sistema: ao chegar em Paineiras, o visitante deixa seu meio de transporte no nível abaixo desta laje, e a ela sobe a pé, onde todo um novo panorama se abre: uma grande marquise interliga os sistemas de transporte que levam ao Cristo, e sua continuidade se dá no Hotel, cujo térreo é transformado, com algumas poucas intervenções, numa pequena mas charmosa galeria de serviços aberta ao público. O desenho da marquise, cuja forma procura responder a exigência de abrigo do programa deste nível, acaba tendo um desenho sinuoso, cujo maior interesse não é sua forma em si, mas sim os largos ou pracinhas que, integrados ao pátio do Hotel, configuram uma pequena atmosfera urbana suspensa em meio à mata.

Assim, ao invés de simplesmente “ocupar” o terreno existente, a infra-estrutura é a justificativa para a total recriação do lugar.

Beatriz Nachtergaele, Baldomero Navarro e Claudio Furtado